Cayman Sistemas
PRECISO DE UM SITE
MENU
INÍCIO
SOBRE NÓS
PROJETOS
CONTATO
X
SOLICITAR ORÇAMENTO
Foto Blog

Qual a diferença entre tráfego orgânico, pago e de referência?

29/06/2020 - SEO

O tráfego é a alma de um site. É por meio dele que funcionam todas as suas estratégias de marketing e vendas no digital, por isso hoje vou te explicar as diferentes origens de tráfego, o que elas significam para o seu negócio e como você melhorar os seus resultados com estratégias de tráfego orgânico, pago ou de referência. Confira!

Orgânico, pago, social ou de referência: tem diferença?

Se você utiliza o Google Analytics ou qualquer outra ferramenta de análise de tráfego já deve ter visto no relatório de aquisição o termo: Origem de tráfego, com as divisões: Orgânico, Pago, Referência e Social.

O tráfego no site são as pessoas que visitam o seu site e a origem desse tráfego vai depender do tipo de site que você administra e da sua estratégia de marketing digital, onde:

  • Orgânico representa os resultados orgânico (sem uso de verba de anúncios) no Google;
  • Pago representa os resultados de anúncios no Google;
  • Referência representa os acessos por indicação de outros sites;
  • Social representa os acessos por indicação pelas mídias sociais.

A mídia não serve apenas como um indicador, ela também ajuda a entender a eficácia das suas campanhas de marketing digital e o comportamento dos usuários dentro do site.

Origem

Além da mídia, os dados de aquisição muitas vezes são comparados a uma origem específica. No caso da origem Social, como você sabe, existem várias mídias sociais e o relatório origem/mídia traz dados mais específicos sobre a mídia social exata de origem do público.

A mesma coisa vale para o tráfego de referência. Você sabe que vários outros sites geram links levando tráfego para o seu site, mas só com o relatório de origem/mídia é possívvel saber exatamente quais sites estão gerando mais tráfego.

Existem ainda outros filtros que podemos incluir na análise origem/mídia que trazem ainda mais informações. Por exemplo, você pode comparar o seu tráfego por dispositivo para saber se o seu trafego que vem do Instagram, por exemplo, usa mais o celular ou computador (provavelmente o celular nesse caso).

Trafego Origem/mídia

Análise de Dados

Todas essas comparações e análises só tem valor se você sabe o que está procurando. No caso, eu vou considerar que você já está fazendo alguma estratégia de marketing digital, mas mesmo que não esteja fazendo, vou mostrar como esses dados são importantes.

Digamos que você decide iniciar uma campanha no Facebook, como saber se ela está gerando bons resultados? A princípio, bastaria analisar se o seu site passou a ter um número maior de acesso da origem/mídia: social/Facebook, certo?

Esse é um jeito simples de fazer essa análise, mas elas ainda não responde a pergunta mais importante: a sua campanha está gerando vendas?

É sempre importante fazer uma análise de comportamente e metas usando a origem do tráfego como filtro. Assim, você fica sabendo se esse novo tráfego do Facebook está mesmo convertendo vendas, ou se eu estou perdendo tempo e dinheiro levando um público para o meu site que não tem interesse de compra.

Para fazer uma análise de comportamento clique Comportamento > Fluxo de comportamento. Em seguida clique na aba verde e mude a análise para considerar a origem/mídia. O seu resultado vai ser algo mais ou menos assim:

fluxo de comportamento por origem de tráfego

O Gráfico de Fluxo de Comportamento vai mostrar as ações que os usuários fazem depois de entrar no site. Você pode clicar em um ramo específico, por exemplo Facebook/Social, e o Analytics vai automaticamente destacar esse ramo para te ajudar a visualizar o comportamente desse grupo.

Perceba que se a taxa de saída for muito alta e a conversão muito baixa quer dizer que a sua campanha de marketing não está gerando bons resultados, já que a maioria do tráfego está saindo do site sem fechar a venda.

Mas então, o que está acontecendo? Será que o pessoal que eu estou capitando não fecha com meu público-alvo? Infelizmente apenas um relatório não faz milagre. Você vai ter que comparar esse resultado com as outras origens de tráfego para entender se essa é uma situação isolada, ou se realmente você pode estar captando o público errado.

São necessárias várias dimensões diferentes para chegar numa conclusão categórica sobre problemas de conversão no site, mas tudo começa na análise de fluxo de tráfego.

Origem Personalizada

Caso você tenha interesse em rastrear o trafego de origem de uma campanha específica, o Google criou uma ferramenta para criação de URL.

Parece complicado, mas é bem simples: é só você pegar o link do seu site e incluir a origem (source), mídia (medium) e nome (name) da sua campanha. O Google vai gerar um link a partir dessas informações. Na sequência, você vai pegar esse link e colocá-lo como link destino da sua campanha.

Quando o tráfego dessa campanha chegar no Google Analytics, no relatório de Origem/Mídia você vai ver os dados que incluiu e identificar o tráfego que está chegando naquela fonte específica

Metas

Se você tem um e-commerce ou caso o seu site tenha um fluxo de conversão bem definido, você pode ainda analisar a conversão de metas em relação a origem do tráfego.

Essencialmente essa é a mesma análise feita durante o comportamento com a diferença que as metas me mostram também a conversão de eventos - como compras e preenchimento de formulário - o que me da informações mais precisas sobre a intenção de compra do meu tráfego.

Para saber mais sobre como configurar metas no Google Analytics, dê uma conferida no nosso guia passo a passo aqui!

Tráfego Orgânico

Agora que nós já entendemos o propósito de analisar a origem de tráfego, podemos olhar para a origem de tráfego, uma por uma, e pensar em que informações elas passam para o analista de marketing e como aproveitar os seus benefícios ao máximo.

Começando pelo tráfego orgânico! Como comentamos antes, o tráfego orgânico vem de todos os resultados de Google que não são anúncios pagos. Ou seja, sempre que alguém pesquisa por alguma solução e o Google recomenda o seu site e esse usuário clica e entra no seu site, ele é contato como tráfego orgânico.

Os usuários que provem de tráfego orgânico são buscadores ativos. Eles estavam procurando alguma coisa quando encontraram a sua página. Isso significa que esse tráfego está buscando por uma solução e pode estar disposto a negociar com você em troca dessa resposta.

Isso não significa que necessariamente esse usuário é um cliente. Por exemplo, você pode ter entrado nesse blog tentando entender qual a diferença entre tráfego orgânico e pago, mas isso não significa que você está interessado em desenvolver um site com a gente.

Por outro lado, agora que você já entrou no site buscando informações, nós podemos fazer uma troca: onde eu quero os seus dados de e-mail para continuar enviando conteúdos para você, enquanto que você recebe conteúdos gratuitos e de qualidade todas as semanas.

Essa negociação é importante para todo site que quer aparecer no Google já que ele ajuda a construir relevância. A relevância é a métrica que o Google utiliza para decidir se o seu site merece aparecer nas primeiras posições de pesquisa e ela é calculada baseada na quantidade de tráfego orgânico que entra no seu site e no engajamento desse público dentro do site.

Relatório de engajamento

O plano é que se o meu site tem um alto tráfego orgânico e esse tráfego passa bastante tempo no meu site, então o Google entende que o meu site é relevante e, assim, ele aparece mais vezes nas pesquisas, o que resulta em mais tráfego, mais conversão e mais vendas para a minha empresa. Nós chamamos essa estratégia de otimização de buscadores (SEO) e você pode aprender como implementá-la acessando o meu manual do SEO aqui!

Tráfego Pago

Parecido com o tráfego orgânico, o tráfego pago também vem de pesquisas de Google, com a diferença de que eu preciso pagar para que o site apareça na pesquisa de terminadas palavras-chave - usando o Google Ads.

Google Ads

Entedesse que eu vou apenas pagar por palavras-chave de alto impacto para o meu negócio. Dessa maneira, o público que vai chegar no meu site a partir do tráfego pago esta muito mais interessado em comprar a minha solução.

Faz sentido, afinal quem pesquisa "concessionária" com certeza está interessado em comprar um carro, mas não quer dizer que só porque o usuário clicou no meu anúncio que a venda já está no papo.

Toda aquela análise de fluxo de comportamento precisa ser feita para entender se os meus anúncios estão gerando vendas, especialmente nesse caso já que é necessário justificar a verba investida em anúncios.

A taxa de conversão também vai depender da minha segmentação demográfica. Afinal, quem está procurando pelo meu produto faz toda diferença na hora de definir se ela vai ou não fechar negócio (alguém que pesquisa concessionária em São Paulo, com certeza não vai querer comprar um carro la no Amazonas).

Tanto a escolha das palavras-chave como a segmentação implementada no Google Ads precisam ser estudadas antes de criar um anúncio ou uma campanha de tráfego pago.

Tráfego de Referência

O tráfego de referência é uma das partes mais interessantes das estratégias de SEO. O Google também utiliza o tráfego de referência como um indicador de relevância, mas de um jeito diferente do tráfego pago.

A lógica é que se um site com relevância cria um link para um segundo site, quer dizer que esse segundo site também deve ser relevante. Nós chamamos esse processo de criação de backlinks (ou linkbuilding).

A ideia por trás dos backlinks é que quanto mais vezes o seu site é recomendado e citado por outros sites, maior é a sua relevância como formador de opinião. Os backlinks são extremamente importante para um bom posicionamento no Google e tráfego de referência é um reflexo disso.

O tráfego de referência é um dos mais difíceis de contruir porque demanda que você entre em contato com outros sites e peça que eles incluam um link para o seu site. Esse processo costuma ser complicado e exige bastante planejamento, mas existem formas de facilitá-lo.

Eu sempre digo que os backlinks podem ser extensões das suas conexões no mercado. Um jeito fácil de criar backlinks é pedindo que parceiros comerciais, fornecedores, revendedores e outras empresas do seu ramo gerem links direcionando para o seu site. 

Essas conexões muitas vezem trabalham em benefício mútuo especialmente na relação entre fabricante e revendedor, onde o fabricante pode apontar o seu site (ou e-commerce) como um ponto de venda dos seus produtos.

Existem inúmeras formas de construir backlinks, mas é necessário cautela já que algumas estratégias podem gerar problemas para o seu site.

NUNCA compre backlinks. O Google tem uma lista negra de sites que compram backlinks e ele os remove automaticamente de todas as pesquisas. Também não é bom criar backlinks com sites que tem má reputação (como sites não seguros ou de atividade ilícita).

Caso um site com má reputação crie um backlink tóxico para o seu site é possível identificá-lo por meio do SEMrush (ou outro software de SEO) e desativá-lo usando o Google Search Console. Esse processo é manual, mas em uma tarde você consegue dar conta de se livrar deles.

Por via de regra, o backlink só vale a pena se ele é difícil de conseguir. Backlinks fáceis de conseguir geralmente são só dor de cabeça.

Qual é melhor?

O melhor tráfego é o que gera mais vendas para o seu negócio.

Não existe solução pronta, nem análise definitiva. O que você precisa é somar as conclusões de várias análises diferentes e descobrir qual estratégia é mais interessante para o seu negócio e qual é o tráfego que melhor converte dentro dessa estratégia.

Eu não vou falar sobre a Origem Social porque já existe bastante material sobre o assunto e ela não foge do que eu já falei aqui, com a diferença de que as mídias socias tem um tráfego passivo. A pessoa que navega numa mídia social está buscando entretenimento, ela só vai engajar com uma campanha de produto se você tiver um gatilho poderoso e a sua segmentação for muito bem feita. Antes de iniciar qualquer campanha de mídia social você precisa considerar esse dois pontos antes de gastar um centavo em ads.

E por hoje era isso. Fique a vontade para mandar as suas dúvidas nos comentários e até a próxima!

 

 

Está precisando de um site?